Atividade 1 - Grupo 10

As mudanças ocorridas no século XX, tanto no âmbito econômico, quanto no político e social, modificaram de maneira grandiosa a dinâmica espacial da produção e da organização econômica geral. Primeiramente, o período do pós-guerra propiciou aos Estados Unidos um grande crescimento e ratificação deste país como a grande potência econômica mundial.

Com o desenvolvimento do fordismo, os portos encontram um propósito de integração nacional, fazendo parte do conjunto de ações que fortaleciam à época o Estado e do bem-estar social nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Essas transformações modificaram as atividades econômicas, as estruturas e relações sociais, as formas de organização política, as ideologias, as manifestações culturais. Tudo se modificou, originando um período de ruptura com a época medieval, mesmo que houvesse um certo grau de continuidade e permanência de elementos presentes na Idade Média.

Toda época procura se assumir como moderna em relação à época que a precedeu. Portanto, não se deve dar uma importância exessiva a todas as referências tradicionais aos tempos modernos demasiadamente relativas, a sociedade, acentuam-se as diferenças entre a alta burguesia e o proletariado, capitalismo se organiza e surgem os primeiros movimentos sindicais que passam a interferir nas sociedades industrializadas, que se vinculam à visão de mundo construída pelo Iluminismo do século XVIII. Para os iluministas as transformações que ocorreram nos séculos XV e XVI foram apenas os sinais precursores de tendências e mudanças que só se afirmariam quase dois séculos depois.

Ainda, no século XX, uma série de transformações sociais abalaram fortemente as estruturas da sociedade moderna, na qual a ordem era uma de suas principais características. De um lado, as tradições perderam quase que completamente sua capacidade de moldar comportamentos, rompendo-se o fio que ligava antigas e novas gerações. De outro, a religião se via fragilizada por não acompanhar os avanços científicos e, assim, perdera sua credibilidade frente aos indivíduos mais críticos, dispostos à submeter tudo.

A tradição trazia a dimensão da autoridade, do respeito aos saberes elaborados no passado, como os conhecimentos, as crenças e os valores que deveriam guiar os mais novos em um mundo desconhecido e pré-existente a eles. Contudo as tradições estavam mortas, apenas mantendo-se superficialmente de ritos e comemorações, mas sem o conteúdo capaz de orientar a chegada dos mais novos; as religiões, por sua vez, totalmente sem crédito, consideradas mais amarras a aprisionar que auxiliares na superação dos embates da vida; e, agora, as próprias instituições sociais, que formavam a paisagem de progresso de grandes e pequenas cidades, não ofereciam mais segurança alguma.

Ocorreram ainda neste século a conquista do espaço, o uso crescente da computação e dos satélites, que colocam em comunicação imediata as mais distantes partes do mundo.

Ao lado desses avanços acentuaram-se as disparidades sociais. Hoje, existem regiões com imensas riquezas e outras com grande pobreza, onde as pessoas passam fome e ignoram os fatos e os benefícios do progresso material das regiões ricas.

Como no século XX, na pós-modernidade o indivíduo passou a buscar sua própria identidade, ao contrário da Era Vitoriana onde o homem fora impulsionado a sair do campo para trabalhar em fábricas com uma qualidade de vida extremamente precária em muitas vezes. O homem pós- moderno quer ter sua voz ativa. Segundo Stuart Hall, professor da Open University , "com o pós-modernismo surge, deixando o indivíduo moderno fragmentado", ou seja, à procura de sua própria característica. Com o vídeo a seguir, pode-se ter uma noção de como é o individuo no período em questão.

http://www.youtube.com/watch?v=bR_6nVsDXTE&feature=related

Vídeo apresentado em uma apresentação de mestrado na PUC- SP. No qual mostra que o homem procura uma identidade, uma liberdade e ainda vai mais além confirmando essa liberdade. Quando no final das conta ele é preso em seu inconsciente e prendido na globalização. A luta incessante contra o tempo, faz com que paramos para pensar até que ponto vai a tal "liberdade".

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License