Atividade 2 - Grupo 1
guerra1.jpg&imgrefurl=search?hl=pt-BR&q=fotos%20sobre%20a%20primeira%20guerra%20mundial&psj=1&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.r_qf.&biw=1

A 1ª Guerra Mundial é o acontecimento que realmente dá início ao século XX, pondo fim ao que se convencionou chamar de Belle Epoque – 1871-1914: período em que as grandes potências européias não entraram em guerra entre si e a burguesia viveu sua época de maior fastígio, graças à expansão do capitalismo imperialista e à exploração imposta ao proletariado.

Consequências da I Guerra Mundial:
• 11 milhões de mortos (destes, 8 milhões eram combatentes).
• Fim dos impérios Russo, Austro-Húngaro, Alemão e Otomano.
• Surgimento de novos Estados europeus:

Do desmembramento do Império Austro-Húngaro: Áustria, Hungria, Checoslováquia e Iugoslávia (nome oficial da “Grande Sérvia”, criado em 1931).
Do desmembramento do Império Russo: URSS, Finlândia, Polônia, Lituânia, Letônia e Estônia.

• Crise econômica generalizada, com especial gravidade na URSS, Itália e Alemanha.
• Surgimento dos regimes totalitários, tanto de esquerda (comunismo) como de direita (fascismo).
• Ascensão dos EUA à posição de maior potência mundial.
• Criação da Sociedade das Nações ou Liga das Nações – um dos poucos itens dos “14 Pontos” que foram aproveitados.
• Existência de minorias étnicas com tendência separatista em vários países da Europa Central e Oriental, criando graves focos de tensão.
Fatores gerais:
• Disputa dos mercados internacionais pelos países industrializados, que não conseguiam mais escoar toda a produção de suas fábricas. Tal concorrência era particularmente acirrada entre a Grã-Bretanha e a Alemanha.
• Atritos entre as grandes potências devido a questões coloniais. Alemanha, Itália e Japão participaram com atraso da corrida neocolonialista e estavam insatisfeitos com as poucas colônias que haviam adquirido.
• Exacerbação dos nacionalismos europeus, manipulados pelos respectivos governos como um meio de obter a adesão popular à causa da guerra. Há que considerar ainda o nacionalismo das populações que se encontravam sob o jugo do Império Austro-Húngaro ou do Império Russo e ansiavam pela independência.

O fim da Primeira Guerra Mundial está ligado ao início da Segunda, pois as perdas territoriais alemãs iriam servir de justificativa para o expansionismo nazista.

A Primeira Guerra Mundial teve inicio em 1914 e terminou em 1918. Iniciou com a morte do arqueduque austro hungaro Erzherzog Franz Ferdinand executada por Grivilo Princip de uma oraganização nacionalista. Os nacionalistas chamaram os russos para ajudar os sérvios quando foram atacados. A guerra terminou em 1918 como sendo um dos piores massacres sangrentos. Os alemães foram forçados a assinar o Tratado de Versalhes fazendo pagamentos exorbitantes reparar os danos que foram causados durante a guerra. A maioria dos alemães sentiu que essa reparação era injusta porque de fato eles não haviam perdido a guerra.

Apesar de mais de dez anos de Trabalhismo, a sociedade britânica continua dividida em classes, revela uma pesquisa publicada hoje pelo jornal "The Guardian".Para 89% dos entrevistados, as pessoas ainda são julgadas no país pela classe à qual pertencem, contra apenas 8% que acreditam que o pertencimento a uma classe não conta em nada.

Os mais pobres são os que têm mais consciência do impacto social do classismo: 55% dos entrevistados que pertencem à camada mais desfavorecida da sociedade britânica afirmaram que a classe, e não as habilidades, determina, em grande medida, a percepção que os outros têm deles.

No recente congresso trabalhista, o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, afirmou que "uma sociedade livre de classes não é uma simples frase de efeito, mas pode se tornar realidade" no país.

No entanto, mesmo a geração de adultos nascida sob o Governo conservador e supostamente meritocrático de Margaret Tatcher não parece convencida. Cerca de 90% dos jovens com entre 18 e 24 anos afirmam que os indivíduos ainda são julgados pela classe à qual pertencem.

Apesar do enfraquecimento da indústria britânica, a classe operária continua sendo maioria no país. Numa pesquisa semelhante publicada em 1998, 55% dos entrevistados se declaravam pertencentes à classe operária, número que atualmente é de 53%.

Apesar dos esforços do Governo trabalhista para criar o que chama de uma sociedade de oportunidades, apenas 41% dos britânicos se consideram classe média, o mesmo número de nove anos atrás. Só 2% dos entrevistados dizem pertencer a uma classe superior.

O norte da Inglaterra continua sendo o coração da classe operária britânica, já que 57% das pessoas que vivem na região dizem pertencer ao grupo. Apesar disso tudo, a sociedade Britanica, até hoje sofre os efeitos negativos das duas grandes guerras mundiais,uma vez que a mesma teve participacao ativa nelas, diretamente contra o regime de hitler.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License