Grupo 6 - Resenha 2

A escrita colaborativa por meio do uso de ferramentas digitais: ressignificando a produção textual no contexto escolar

PINHEIRO, Petrilson Alan. A escrita colaborativa por meio do uso de ferramentas digitais: ressignificando a produção textual no contexto escolar: The collaborative writing by means of digital tools: Resignifying textual production in the school context. Calendoscopio, Sao Leopoldo, Rs, v. 3, n. 9, p.226-239, 1 set. 2011. Timestral. Disponível em: <doi: 10.4013/cld.2011.93.07>. Acesso em: 9 set. 2015.

O presente artigo teve como objetivo analisar a construção de práticas de escritas colaborativas entre um grupo de alunos (as) do Ensino Médio, a partir do uso de algumas ferramentas da Internet.Trata-se de de uma pesquisa de natureza qualitativa caracterizada por uma pesquisa-ação, esta investigação analisou um corpus gerado a partir de um projeto de ensino de uma jornal digital escolar.A pesquisa foi realizada na Escola Estadual localizada no município de Campinas (SP)em 2008.Com base teórica fundamentada na Linguística Aplicada apoiou-se na discussão teórica sobre a revolução digital ocorrida na Web 2.0. De acordo com o autor, a Internet vem possibilitando novas práticas de escritas digitais e isso vem ocorrendo após o advento do web 2.0.Então, com o advento do Web 2.0 as pessoas não apenas recebem a informação, mas também publicam informações no sistema, desconstruindo as categorias tradicionais de autor e leitor, participando de um mundo onde as informações não são subposta a outra"como um livro" e sim acessadas simultaneamente.Segundo Pinheiro(2011) Web 2.0 proporciona um ambiente libertário que possibilita ao leitor mudar de posição passando ser o autor e defensor de ponto de vista, assim surge o Ethos baseado no trabalho colaborativo desconstrói o individualismo.
O autor discorre sobre o que é Escrita Colaborativa EC baseado em Lowry et al.(2004) _ Constitui como prática social, para ele justifica que enumeras áreas da ciência defendem o trabalho colaborativo de escrita.Segundo Allen et al (1997) a colaboração é um processo de produção compartilhada que proporciona interação sobre um processo, um produto ou evento.Logo, entende-se que o trabalho em grupo permite que os sujeitos produzam melhores resultados do que se atuassem individualmente.
Nesse sentido, o trabalho colaborativo se constitui a partir de interações do grupo, no compartilhamento de descobertas, compreensão mutua da situação, negociação dos sentidos atribuídos ao trabalho, validando novos saberes construídos.É importante ressaltar que a EC é um empreendimento ativo e social que possui duas forças inter-relacionadas que são denominadas em grupo e participante, mas outros conceitos como socialização e confiança, identidade e coesão grupal, motivação e envolvimento ativo na participação também são essenciais para escrita colaborativa.Quanto as atividades de EC, Lowry et al(2004) aponta que as atividades da EC envolvem múltiplas partes e se apoiam em três atividades: planejamento, elaboração do texto e revisão.
Mediante o exposto, entende-se que as transformações nas práticas de escritas propiciam transformações sociais, culturais e tecnológicas. Mas, de acordo com Pinheiro (2011) o contexto escolar é uma das instituições que ainda resistem as transformações, operando com práticas de escrita que não refletem a essas transformações. Ao pensar especificamente no contexto escolar buscou criar artefatos, ambientes e atividades que construissem significado no contexto. A pesquisa objetivou não só acompanhar a forma de uso da ferramenta digital (conversas instantâneas e correio eletrônico), mas de propor transformação junto ao grupo de alunos e o professor de Português, assumindo o papel de mediador. Buscando contemplar o processo colaborativo de escrita no contexto escolar, o autor fez um breve recorte no //corpus
que envolve atividade de brainstorming, de esboço e de rascunho de um dos subgrupos. Então a análise contemplou duas partes distintas. Na primeira parte, analisou o processo colaborativo de escrita dos alunos(as) na elaboração da primeira matéria que inaugurou o jornal da escola.Na segunda parte, analisou o processo colaborativo de escrita do mesmo subgrupo, porém quase três meses depois. Ao analisarmos a escrita colaborativa do grupo na primeira parte e segunda parte verificamos um grande avanço, assim sendo na troca de turnos entre os interactantes, participação e contribuição de todos os envolvidos no processo, as estratégias de escritas ocorreram de forma mais complexas. Ainda de acordo como a divisão dos grupos e atribuições de funções, também é importante ressaltar que a escrita em paralelo atribuiu mais autonomia aos participantes do grupo.Ressalto que o trabalho em estudo foi de grande valia, a pequisa-ação nos proporcionou um novo olhar em relação as ferramentas utilizadas (conversas instantâneas e correio eletrônico). Assim, é possível de forma dinâmica e estimulante propiciarmos aos discentes novas práticas de escrita, isto é, novos letramentos. Entende-se que a EC, nos dias de hoje, é um trabalho desafiador tanto para o corpo docente quanto ao discente, todavia são novos aprendizados que serão construídos coletivamente.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License