Grupo 6 Resenha 4

Índice - Resenha 4
SCHNAIDER, Elton Ivan et al. Sala de aula Invertida em EaD:uma proposta em Blending learning. Intersaberes, São Paulo, v. 8, n. 16, p.68-81, out. 2013. Quadrimestral. Disponível em: <http://www.grupouninter.com.br/intersaberes/index.php/revista/article/view/499>. Acesso em: 02 out. 2015.
O presente artigo discorre sobre o uso de tecnologias na forma híbrida, e explana sobre implantação do modelo pedagógico chamado Flipped Classroom ou sala de aula invertida, intitulado pelo Bloom (psicólogo que escreveu a Taxonomia dos Objetivos Educacionais), em cursos superiores de tecnologia a distância.A proposta foi implantada em 05 Cursos Superiores de Tecnologia e no Curso de Pedagogia do Centro Universitário Internacional Uninter. Tal proposta abrange o uso de encontro presenciais e a distância, conhecido como metodologia Blended de EAD. O texto objetiva refletir sobre o currículo dos cursos superiores de tecnologia na modalidade EAD e apresentar uma proposta de organização dos tempos e espaços de ensino e aprendizagem. A proposta coloca o estudante no papel de sujeito ativo de seu próprio conhecimento e o professor na posição de mediador do processo. A fim de entender a investigação da proposta, o texto foi organizado em três seções que são nomeadas respectivamente em: A organização curricular na EaD: reflexos das concepções educacionais advindas do ensino presencial e a necessária superação; A proposição de um modelo de estrutura pedagógica para cursos na modalidade ead segundo a "sala de aula invertida"e considerações finais.
De acordo com Suhr e Ribeiro (2010, p.31) a EAD no Brasil apresenta-se de forma mais significativa após a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (lei 9394/96), que certamente percebe-se o papel importante das tecnologias da informação e comunicação (TICs) que nos remete ao tecnicismo, indicativo da proposta tradicional, e ao escolanovismo. Ainda ressaltam que a busca da autonomia intelectual, da colocação do aluno como sujeito de sua própria aprendizagem aproxima a EAD do escolanovismo. De acordo com estudos da Fundação Victor Civita (2012), seria viável avançar nas propostas curriculares nesta modalidade, pois seria a proposição de modelos semipresenciais, assim o aluno poderia conciliar as vantagens da EAD (autonomia de tempo e espaço para estudar) com a vivência de um espaço acadêmico, mediado pelo ensino presencial. Então, pensando num currículo misto, que visasse conciliar as modalidades presenciais e a distância é que alguns autores apresentou no modelo de aula Fipped Classroom ou "sala de aula invertida" como possibilidade de organização curricular diferenciada. O Flipped Classroom permite que o aluno seja o sujeito de sua própria aprendizagem, reconhecendo o domínio dos conteúdos e o professor assume o papel de mediador do processo, não diminuindo a participação do professor, porém potencializando o lado pesquisador do mesmo, no acompanhar e observar o desenvolvimento dos alunos.A ideia do Flipped Classroom surgiu em escolas do ensino médio americano por Bergman e Sams, fundamentado no aporte teórico de Bloom.O pensamento de Bloom recebeu várias críticas, pois os objetivos educacionais permitiu a criação de sistemas instrucionais com um enfoque diretivo, buscava a eficiência no ensino nos moldes da pedagogia tecnicista, logo o objeto maior era que o aluno saísse da situação de aprendizagem diferente de como entrou. Nesse sentido, é importante ressaltar que a Taxionomia de Bloom trouxe grande contribuição em relação aos objetivos educacionais, mas, não é ela fundamentada no seu original que orienta a proposta do FlippedClassoroom e, sim,sua inversão.Então, surge o nome sala de aula invertida com os teóricos Bergman e Sams que visa o seguinte processo: o aluno em atividade de estudo por meio de fontes variadas dedica-se a aquisição de conhecimento, determina o tempo necessário de acordo com sua necessidade, na sequência, o professor estimula o aluno a pesquisa e a interação com os colegas com o uso de ferramentas da informação, focando nos ambientes virtual de aprendizagem.Ainda de acordo com a metodologia proposta os encontros presenciais dos alunos são dedicados para criar e avaliar.Logo, entendemos que a preposição de Bergman e Sams, pensada para o ensino presencial oferece para EaD a possibilidade de pensar uma outra forma de organização que visa adequar as necessidades dos alunos, conciliando momentos de auto estudo, autonomia do aluno, ritmo individual e momentos de interação presencial.Mediante o exposto, o artigo apresentou uma proposta de organização para cursos superiores de tecnologia implantada numa instituição de Ensino Superior situada em Curitiba, que visou tomar os conceitos de FlippedClassroom e blendedlearning (curso de educação a distância com encontro presenciais obrigatórios). Tais conceitos privilegiam estratégias voltadas para aquisição do conhecimento, assim o aluno envolve-se em auto estudo, aprendizagem colaborativa em atividades interativas no ambiente virtual de aprendizagem (AVA), estratégias de produção de conhecimento em ambiente virtual de aprendizagem (AVA) e estratégias de criação do conhecimento. Seguindo os passos elencados verifica-se que o aluno, neste processo, será o sujeito de sua própria aprendizagem, assim sendo capaz de produzir conhecimento. Logo, percebe-se que as aulas se tornarão mais produtivas e empolgantes promotora de debates, de ideias e conclusões acerca da teoria favorecendo assim aplicabilidade dos conceitos e acelerando o processo de aprendizagem.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License