Grupo 7 Resenha 3

.RESENHA DO TEXTO 3
“USO PEDAGÓGICO DE CELULARES: ANÁLISE DE ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS”

celulares-nas-escolas.jpg

O artigo aborda as novas formas de se conectar com o mundo e suas novas necessidades, analisando as tecnologias móveis sendo elas voltadas a aprendizagem, tendo em vista que estes dispositivos móveis estão inseridas desde muito cedo na vida do aluno. O texto se insere no campo da pesquisa denominado m-learning, ou mobile aprendizagem. O objetivo central do artigo foi buscar compreender também as limitações do uso do m-learning como ferramenta educacional, por meio da analise de duas estratégias pedagógicas em turmas de Cálculo I de uma instituição federal com o uso de celulares, quais são discutidas no artigo.

A era da mobilidade pessoal e tecnológica trouxe consigo outras possibilidades no campo cognitivo. A tecnologia pode aproximar os mundos reais dos virtuais. Para o autor o m-learning é mais do que a tecnologia pura, pois possui potencialidades para colaborar na aprendizagem. O autor se vale da Teoria da Atividade (TA) ideia do estudioso da teoria Sócio histórica, o russo Vygotsky e seus companheiros. Fazendo uso da área da psicologia social da aprendizagem, ele efatiza, dessa feita, a atividade coletiva. Vale-se de Vygotsky, Leontiev e Engestron, cuja defesa é de que o desenvolvimento humano se dá por meio das relações sócias em que um indivíduo mantém ao longo da sua vida. Assim, o processo de ensino e aprendizagem também se desenvolve por meio das interações que vão se estabelecendo ao longo da vida. Propõe Batista et. al. (2012) que a TA ajuda nas atividades coletivas, dessa feita corroborando com as teorias sócio históricas. Ainda, o TA fundamenta o m-learning sendo a aprendizagem um processo ativo e de construção do conhecimento e colabora na atual mudança pertinentes a essa Era a Era digital.

A TA fundamentada por Vygotsky permite a compreensão dos elementos fundantes da Era mobile e sua aplicação no campo da educação. E dessa maneira a TA serve de embasamento teórico para as ações do m-learning. Em seu estudo de caso as autoras Batista et. al. (2012) realizou um estudo com dois grupos de acadêmicos do primeiro semestre na disciplina de Cálculo I. Sendo uma turma de bacharéis em matemática e outra do curso de Análise de Sistemas. Exigiu-se o uso de aparelhos celulares e um programa (Moodle). O estudo conclui que a experiência possui vantagens e dificuldades em virtude do incipiente uso das tecnologia como ferramenta educacional por parte dos estudantes ingressantes. Mas, ressalta as autoras que o estudo foi salutar em mostrar resultados que devem servir de amparo para outras experiências, bem como dar suporte a novos estudos sobre a temática, bem como mostrou aos estudantes possibilidades de se comunicar com o processo de ensino e aprendizagem valendo-se do m-learning.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License